Editora Trem Fantasma

Moby Dick, por Bill Sienkiewicz

“Chamem-me Ismael.

Já fui chamado de muitas maneiras… desde filho de Abraão a qualquer outro nome conhecido… para este relato, Ismael será suficiente.

Esta é uma história ocorrida há alguns anos, precisamente quantos, não é importante.

Naqueles dias, eu me via mirando caixões e, a esmo, seguindo lôbregos cortejos fúnebres. Lançei-me, então, ao mar, como os homens sempre fizeram e ainda fazem em todos os lugares.”

O mar fascinava e afligia Herman Melville, e Moby Dick, seu mais famoso trabalho, representa o ápice de sua obra, expressando em palavras a vastidão, magnitude, poder e perigo dos oceanos. Publicado em 1851, foi um grande sucesso, mas a popularidade do autor despencou nos anos seguintes, com a publicação de obras de menor peso. Foi no início da década de 1920 que a redescoberta crítica de Melville restaurou sua reputação como autor e grande figura literária, um mestre da simbologia narrativa, mas sem deixar de lado o realismo, dono de uma prosa rítmica carregada de crítica social, reconhecido por apresentar com habilidade sem igual a contextualização histórica, rica em detalhes, de um modo de vida que há muito deixou de existir.

Melville é notável também por seu grande apelo: alguns leitores se apaixonam pela aventura marítima; outros se encantam pelo estudo psicológico e obsessivo da loucura; e há ainda aqueles que são absorvidos pelas profundas e penetrantes alegorias do desastre que aguarda o homem que tenta se transformar em Deus, e que, ao combater aquilo que julga ser o mal, se transforma, ele próprio, num ser carregado de maldade.

A série Classics Illustrated começou a ser publicada em 1941 nos Estados Unidas com a proposta de adaptar para os quadrinhos as grandes obras da literatura, sendo publicada continuamente até 1971.

Em 1990, a First Comics, em parceria com a Berkley Publishing, retoma a publicação, trazendo adaptações realizadas por grandes nomes dos quadrinhos norte-americanos.

Boleslav William Felix Robert “Bill” Sienkiewicz é um dos mais revolucionários quadrinista norte-americanos das últimas décadas. Dono de um traço inconfundível e do magistral uso de técnicas como pintura a óleo, colagens e outras técnicas nunca antes utilizadas nos quadrinhos, notabilizou-se no final dos anos 1980 por seu trabalho na Marvel Comics, especialmente nos títulos Cavaleiro da Lua e Novos Mutantes e, posteriormente, na mini-série Elektra: Assassina e na graphic novel Demolidor: Amor e Guerra.

É justamente nesta fase, considerada por muitos como o auge de sua carreira, que Bill Sienkiewicz é convidado para executar a adaptação de Moby Dick para a nova fase da série Classics Illustrated, e o faz de forma absolutamente magistral, incorporando técnicas de pintura clássica com influências abstratas e expressionistas, cria uma de suas principais obras e uma das mais belas adaptações literárias já feitas.

Após mais de 30 anos, esse clássico absoluto dos quadrinhos mundiais é redescoberto, ganhando novas edições na França, Itália e Espanha.

No Brasil, a republicação fica a cargo da Editora Trem Fantasma em uma edição de colecionador para ser lida, guardada e apreciada em todos os seus detalhes.

Clique abaixo e confira no Catarse: